domingo, 14 de agosto de 2016

Tiro de Partida




Pré-época um pouco atípica no que toca ao acompanhamento dos desafios de preparação, por isso algum desconhecimento - e especial curiosidade - sobre o que pode saír da estreia nesta Liga. Bons sinais no torneio de Paços, apresentação agradável (não esquecer o tenro adversário que tivemos pela frente, pouco deu para aferir da Equipa), alguns jogos à porta fechada e a repetitiva tentativa de saber algo mais sobre a Equipa e seus desafios, no nosso site/facebook e no dos nossos adversários também que os tempos a isso obrigam.

Rápida análise do momento, a poucas horas da nossa estreia:


Plantel

Diferente, mais à imagem de Sanchez, quer nas contratações quer em algumas das perdas ou dispensas. À partida, não poderemos dizer que é um plantel mais forte que o que acabou 15/16. Não o é. Perdemos alguns jogadores 'base' da época passada (Vinicius, Ribeiro e Afonso à cabeça), conseguimos colmatar algumas dessas posições, tivemos maiores dificuldades para o fazer noutros casos. Corremos - de novo - maior risco, pois alguns desses jogadores fazem estreia na Primeira Liga, no futebol português ou em ligas profissionais. Como tem sido habitual, é preciso tempo, o que aumenta as dificuldades.


Equipa

Tentando antecipar um pouco o jogo de logo, especial curiosidade para perceber quem está à frente de quem na linha defensiva. Reforçamos os 4 lugares da defesa, à partida em equilíbrio de valor com os que já faziam parte do plantel. Na baliza, veremos se Mika continua a tradição de não iniciar a temporada (desconhecemos a sua aptidão, já que esteve lesionado). Agradaram as prestações de Mickael Meira (22 anos, estreia na Primeira), Ba foi titular em alguns dos jogos de preparação. Minha aposta recaíria no jovem reforço português.
No quarteto à frente, a única certeza é que Henrique é o novo Vinicius. Deu para ver que começou em forma e super motivado para ser o novo líder da defesa, e qualidade e experiência para isso tem ele. Sobre o companheiro de setor, dúvidas que se limitam a dois jogadores, Sampaio e Tagliapietra (numa das posições mais 'em risco'). Nas laterais, o tal equilíbrio de valor, Talocha/Correia e Machado/Mesquita; a maior experiência do brasileiro poderá valer-lhe a titularidade, para já; na direita, dois jogadores de caraterísticas idênticas, para confirmar se vai ser aposta na continuidade ou se vamos ter novidade.

Meio campo talvez o setor que mais agrada, em teoria. Apesar das perdas importantes - Tahar e Rúben - há dados que nos permitem ser um pouco mais otimistas. Espinho é uma certeza, difícil imaginar um substituto melhor para o agora jogador caxineiro (como ele curte a praia!). É diferente, menos tecnicista, menor poder de drible, mas talvez até um médio mais completo. Tem tudo para ser o herdeiro da batuta, mais à frente perto do avançado ou recuado para a posição de médio centro. Uma das curiosidades maiores acerca da Equipa. A acompanha-lo, uma quase-certeza, Idris (que todos lhe conhecemos as caraterísticas...) e uma enorme dúvida, o terceiro médio (influenciado também pela posição que Fábio poderá ocupar, se como médio/segundo avançado ou médio/+ dois avançados). Carraça surpreendeu pela positiva nesta pré-época (e parece aposta forte do Erwin; já agora, não esquecer Henrique, ex junior em muito bom plano), temos o Capitão Tengarrinha que dispensa apresentações (reapareceu e jogou como se não tivesse tido lesão de meio ano) e a incógnita russa, o Emin.
Incluindo os alas na equação do meio campo (até porque são claramente mais médios que extremos, com e sem bola, reforçando a ideia do 442), temos Carvalho e Renato como prováveis titulares. O português apareceu em boa forma, ambos tem condições para continuar a crescer no jogo da equipa. Não acredito que Digas ameace o lugar de médio direito, não direi o mesmo em relação a Bukia. Acredito que Sanchez aposte inicialmente no brasileiro, mantendo a consistência e tendo em conta que o adversário é um 'europeu' e não podemos entrar com a corda toda, como aconteceu algumass vezes no início da 'era' Sanchez.
Samú poderá espreitar um lugar, se bem que dificilmente como titular.

No ataque, houve reforços, perdas e dispensas, algumas delas com um 'finalmente' bem grande outras nem por isso. Schembri, pelo que já mostrou, é muito provável que seja titular, um jogador à imagem do que o nosso treinador pretende para o ataque, mobilidade, sentido prático e, claro, qualidade e experiência. Para confirmar, mas admito bastante expetativa no maltês. A fazer parte da dupla, incógnita. Pelo que já referi atrás (Espinho poderá ser o mais perto da referência ofensiva, funcionando um pouco como segundo avançado quando não temos a bola), ou se vamos ter algo mais... arriscado e ofensivo. Também difícil imaginar quem: Idé poderá precisar de tempo (e poderá ser um jogador com caraterísticas para algo mais específico no ataque), Erivelton duvida-se que já esteja 'apto', Medic que seja já aposta inicial. Outra hipótese será encaixar Bukia no centro do ataque/meio campo ofensivo, foi testado aí na pré-época (em que também demonstrou estar em boa forma - tal como no ano passado) e poderá ser uma boa forma de poder contar com ele no onze sem mexer muito com a pretendida consistência do meio campo.
Surpreendente a dispensa do Luisinho, é impossível passar ao lado. Tecnicamente é um dos jogadores mais evoluídos que temos, dos que mais desequilibra no último terço. O problema (que já se tinha visto na época passada, em que foi aposta irregular), são as características quase 'exclusivas' de extremo, que não encaixam no sistema pretendido. Renato, como médio, é mais completo, falando de Carvalho (que podemos dizer, ocupa a sua posição) percebemos que Luisinho é o oposto daquilo que Sanchez pretende. O que é diferente de assumirmos que acrescenta qualidade e soluções ao plantel. É uma perda pelo lado desportivo, por outro lado talvez alguma desmotivação precipitada do jogador esteja na origem deste desfecho inesperado.


Atitude

Agradou a liderança, seriedade e intensidade que demostramos no torneio de Paços. Os capitães à cabeça, os já repetentes a acompanha-los e a indicarem o caminho aos mais novos. E tem que ser, obrigatoriamente, esse o ponto de partida, aquilo que nos fez ressuscitar em tempos recentes, aquele que tem que continuar a ser o ingrediente principal: ir à guerra com todas as nossas armas, lutar batalha a batalha. E sempre, mas sempre, conncosco a acompanhar fora das quatro linhas. Fora, mas imensamente perto. Com eles e por eles, todos juntos.

Parece cliché, mas o Inferno do Bessa tem que regressar. Sim, regressar. Não podemos falhar, e desengane-se quem pense que isto vai ser mais fácil, que vamos crescer muito de um momento para o outro. Não vamos. Vamos sofrer e teremos que ser unidos para, de novo, levar a nossa avante.

Todos ao Bessa, todos seja onde for. Isto vai começar, e vamos fazê-lo em força.



Força Boavista!

sexta-feira, 15 de julho de 2016

Siga Para Estágio


Depois da febre e tempos de sonho que todos nós vivemos nos últimos dias e voltando à realidade, pouco diferente da de há umas semanas atrás: as dificuldades em manter os jogadores desportivamente mais importantes na última época confirmaram-se, dos reforços pouco se poderá falar porque são desconhecidos, a nossa pujança no mercado é quase nula.

Mesmo sem vermos a equipa nem reforços, são evidentes os motivos para muita preocupação. Os objetivos levaram um ligeiro 'upgrade' e as correspondentes melhorias na Equipa ainda não aconteceram. Pior, dos mais influentes foram mais os que saíram.


Confirmam-se as dificuldades para equilibrar e fortalecer o plantel, todos seguem para estágio ao contrário do inicialmente planeado, mesmo os juniores recém promovidos e jogadores em observação.
Quem não segue é Alex junior (defesa ala esquerdo que esteve emprestado ao Vila Real onde fez 20 jogos) e, algo surpreendentemente, Hackman (11 jogos como titular na última época), um dos jovens no qual se poderia depositar maiores esperanças na sua afirmação.
Seguramente que isto só pode melhorar.


Por alto, o que temos neste momento:

Mika, Mickael e Ba.
Na baliza, pior não poderíamos ficar. Mickael é a novidade.

Mesquita e Edu, Henrique, Sampaio e Santos (Pimenta também não faz parte dos centrais), Correia e Talocha.
Defesa, Vinicius é a baixa (presente em 32 jogos no campeonato...), não temos ninguém como o agora jogador do Apoel, apesar de termos quem jogasse bem com ele ao lado. Não chega. Hackman é outra baixa.

Idris, Gabriel, Tengarrinha, Daf, Anderson, Carraça e Samú
Meio campo mais dois que saíram, veremos quem poderá chegar. Tahar e Rúben são baixas a sério, dos reforços teremos que esperar para ver Daf e dois dos mais promissores e ainda esperar que chegue mais alguém.

Luisinho, Renato, Bukia, Medic, Shembri, Abner, Digas, Ivan e Edu.
Parece muita gente no ataque, mas o destaque até são as saídas, pequena limpeza com a saída dos nigerianos (e alguns 'médio ofensivos'), veremos como serão os reforços Shembri e Medic. Nas alas as perdas foram mínimas, mais uma vez alguma fé em Luisinho, Bukia e Renato, que é o que temos, goste Sanchez ou não. E na nossa cantera, Edu e Ivan.


terça-feira, 5 de julho de 2016

Martinez e Afins

Martinez e Uchebo a darem com a língua nos dentes. Independentemente do seu valor como futebolistas, a imagem que sai para o exterior é péssima, ainda para mais neste momento da vida do Clube, em que a retoma da credibilidade, a vários níveis, é a prioridade.

Por um lado é bom para muitos de nós ganharmos consciência e percebermos que as dificuldades continuam a ser mais que muitas.

Ainda surpreendidos pela 'traição' do Rúben? Pelas inevitáveis saídas a zero de Afonso e Zé? Pois...

Ainda a propósito do Ribeiro, notória a vontade do jogador, espero que tenhamos isso bem presente. Apresentação do jogador, de camisola e presidente vilacondenses, a confirmar que "a prioridade sempre foi o Boavista". Boa Rúben, bela entrada nos caxineiros.

Todos sabemos como está, para já, o nosso plantel. Sabemos quem estava e quem já não está. Só não sabemos como vai ser,  o que por um lado pode até ser positivo. Waiting.

Força Boavista!

terça-feira, 7 de junho de 2016

Panteradas #2




- Edu e Talocha são reforços para as laterais, ambos portugueses e oriundos de escalões inferiores, segundo e terceiro respetivamente. Nada contra, é só acreditar no nosso departamento de prospeção (uhuu!) e confirmarem o seu valor, como todos nestas situações.
A ideia que fica é que a aposta é forte em Mesquita e Correia. Igualmente nenhuma objeção, já estão cá há uns tempos, já evoluíram e conhecem bem o que a casa gasta.
A estes junta-se Digas, extremo/avançado também proveniente do terceiro escalão. Em teoria, e por aquilo que nos foi possível ver, para o lugar do Zé. 
Micka, mais jovem, mais alto, e esperemos que nos traga mais alguma coisa. É a primeira experiência neste patamar, mas sendo guarda-redes... esperemos ansiosamente pela pré-época.

- Acerca das outras renovações mais aguardadas, nada. A não ser que parecem cada vez menos prováveis.
Reforços-reforços, esperemos pelos próximos tempos. Estamos no início de junho e parece que com algumas coisas por resolver para podermos... operar. Calmex.


- Tenho uma visão muito simples acerca das renovações. O Clube, caso queira, apresenta proposta para novo contrato, sendo ou não aceite pelo jogador. Ou vice-versa. A partir daqui é entre eles, discutido e decidido por cada um, seja jogador ou presidente, direção ou empresa de gestão de carreiras. É lá entre eles.

A propósito do Afonso e do ligeiro azedume que ficou no ar, um pouco graças à entrevista do jogador.
Recuando um pouco: foi-nos dito que o assunto "renovações" só seria abordado no final da época ou, possivelmente, quando soubessemos o nosso destino desportivo. Faz todo o sentido, quer na perspetiva do Clube quer na do próprio jogador (assinando só depois de saber se iria competir na Primeira ou Segunda!). E, durante estes meses de indefinição, nada saíu acerca de novos contratos, nem mesmo daqueles que já sabíamos que acabariam o vínculo no final da temporada.
Nada saíu mas, pelos vistos, pelo menos no caso do lateral esquerdo, houve abordagem em fevereiro, bem antes de sabermos a classificação final. E facilmente se constata qual foi o principal entrave à renovação, para lá, claro, da vertente financeira. "Quero voar mais alto". A proposta até poderia surgir em fevereiro de 2015, certo? "Não me deram o devido valor", só se for o Rui Jorge que demorou um pouco a fazê-lo. Aqui, acompanhou-nos do terceiro escalão, sempre acarinhado pelos adeptos, sempre prioridade na titularidade na lateral esquerda, graças à sua qualidade (ok, ok, depois de Petit deixar a teimosia pelo Julián...).

A respeito do Zé, todos estranhamos um pouco, não é verdade? A manter-se no clube pelo qual assinou, pelo menos jogará com as quinas na manga. A juntar aos valores mensais, 'tamos conversados Zé.



- A renovação do Carlos já havíamos discutido aqui. Será pelo seu peso no balneário (ops, não, não é piada), pela influência que terá junto dos mais novos no Clube, ele que já leva quatro anos de Xadrez ao peito e quase 90 jogos. Fez 4 esta época e todos eles um pouco... negros, não esquecer.
A picada do "manteve a palavra" vale o que vale. Olha-se para o Carlos e percebe-se que é um homem de honra, sério, e que poderá não ter um décimo dos pretendentes de um jovem, recém internacional e promissor esquerdino, ou de qualquer outro central, veterano, com provas dadas e com quase a totalidade dos jogos efetuados. Mas claro, palavra é palavra, ninguém tem dúvidas.


- OJogo adianta que Ancelmo rescindiu, sensivelmente um ano depois de ter sido dispensado pelo Clube (na altura, juntamente com Lucas Rocha e Julián). Desta vez vamos lá dar um tempo para confirmar.

- Sinais positivos acerca nova filosofia na vertente comunicação (pelo menos) do Clube. Novos parceiros, passatempos, entrevistas, essas coisas. Pelo menos mexemo-nos, o que é bom.
Quanto às outras coisas 'de peso', que se vai fazendo por falar aqui e ali (jornais, entenda-se), vamos dar tempo ao tempo. E torcer para que tudo esteja a ser bem feito.

- Um ponto bastante negativo: ao contrário das nossas meninas, os rapazes sub-19 não conseguiram a manutenção. É péssimo para um Clube como o nosso, em que a aposta na formação, tendo em vista a Equipa principal, deve ser uma prioridade. Muita coisa correu mal, organização, condições e, sobretudo, resultados. Deve estar aí uma das prioridades para a próxima temporada, a subida dos nossos juniores ao principal escalão e com capacidade para produzirmos jogadores.
Um que pode servir de exemplo: Samú foi observado pelo Barcelona (conhecerão eles o Abner?), é obrigatório manter esta capacidade de descobrir e fazer evoluir novos jogadores.


Força Boavista!


domingo, 5 de junho de 2016

As Panteras


Na Primeira! Orgulho Axadrezado.

Grande trabalho que deve deixar todos os Boavisteiros orgulhosos do nosso Futebol Feminino. Não só nas seniores, como também nos restantes escalões. Só com muita paixão ao quadrado se consegue isto.


Parabéns Boavista!



terça-feira, 24 de maio de 2016

O Plantel



Final da época, alguns bitaites sobre o plantel.

Ainda algum tempo nos espera até percebermos com o que podemos contar e, sobretudo, que argumentos teremos para fortalecer o plantel. Importante não repetir os erros do passado recente (no que toca à preparação da temporada) e, quiçá, acabar em definitivo a limpeza que se iniciou em janeiro último.

Haverá muito mais que as prioridades evidentes, as renovações de Vinicius e Rúben.

Por partes:


Baliza

Gideão mostrou pouca competitividade quando foi chamado ao onze (8), Ba nunca o foi, Mika foi crescendo na forma e confiança ao longo da época. Dispensas dos dois primeiros não surpreendem (se bem que, como terceiro, Ba pode ser opção), assim como uma oportuna venda do português. Não será das maiores prioridades, mas, com ou sem Mika no plantel, um guarda redes forte para lutar à séria pela titularidade seria bastante positivo, numa das posições em que podemos verdadeiramente crescer.


Defesa

32 jogos (só falhou porto e Belenenses no Bessa, lesão e castigo), líder da defesa e com uma impressionante regularidade. Rápido é aquele que chega primeiro à bola, e Vinicius fá-lo na maioria das vezes, apesar de não ser um central veloz. Posicionamento e leitura dos lances muito boa, foi um dos principais jogadores esta época. Primeiro reforço está no plantel.
Melhor que a nossa defesa só do quinto lugar para cima, e Henrique muito contribuiu para isso, formando a melhor dupla com o brasileiro. Arrumou com as lesões e parece de pedra e cal, o que é bom.
Sampaio fez pouco mais de metade dos jogos da época passada mas, ainda assim, pareceu em melhor plano e com maior capacidade para evoluir. É jovem e vai para a terceira época de Xadrez.
Apenas 4 jogos esta época (dos 87  com a camisola Axadrezada...), a continuidade de Santos deverá prender-se sobretudo com o fator 'balneário', ele que é um dos capitães. Capaz de cumprir quando chamado, não parece jogador com muitos argumentos para lutar pela titularidade mantendo-se os três anteriores no plantel. É um dos que acaba contrato, veremos o que vai ser feito.
Hackman, para já, é daqueles úteis 'tapa-buracos'. Fez 12 jogos (8 a titular), sendo que do meio campo para trás fez todas as posições. Jovem, com valor e com muito para evoluir, não surpreenderá qualquer decisão, seja a permanência ou o empréstimo.
Nas laterais, reforços obrigatórios. Correia preocupa, principalmente pela irregularidade e suscetibilidade a lesões, tendo feito nove jogos como titular, não teve hipóteses perante Afonso. Reforço para lutar pela titularidade será quase obrigatório na lateral esquerda mas também na direita. Época de estreia positiva de Mesquita, apesar das dificuldades iniciais e da necessidade de algum tempo de adaptação (e evolução) na Primeira.


Meio Campo

Dois reforços garantidos: Idris e Tengarrinha, dois dos capitães. Já os conhecemos bem, são dos mais úteis do plantel. A estes junta-se Carvalho, que participou em 30 jogos esta época, mais adaptado e com outra 'voltagem' mais adequada ao nosso campeonato. Ancelmo e Martinez terão pouco espaço, Gabriel é uma incógnita, sendo que ainda poderá ser útil como médio defensivo, estilo mais batalhador. Perdeu imenso espaço quando acertamos as agulhas, daí alguma expetativa relativamente ao que poderá acontecer ao nigeriano. Naturalmente, sem mexermos mais será alternativa a Idris.
Dos dois que faltam, era assinar já: Tahar e Rúben. Falar é fácil, vamos lá ver o que pode ser feito.
Samú é nosso, época de afirmação à espreita, já que qualidade não lha falta. Se Luis Enrique não o quiser, claro...


Ataque

O setor com maior necessidade de limpeza. Veremos o espaço que terão Uchebo, Uche, Iriberri e Cangá, mas esperemos que seja nenhum, sinal que estariam para chegar reforços. Alguma expetativa para vermos se renova ou não, Santos e Luisinho serão, à partida, para manter.
Ainda assim, interessante a pouca aposta de Sanchez no extremo português, assim como em Bukia. Dois extremos [quase] puros (diferentes de Renato e, claro, de Carvalho), mas que Sanchez parece não depositar grande confiança. Relembro que foram ambos as revelações da pré-época passada. Luisinho foi perdendo influência, o congolês teve a grave lesão, só regressando em três desafios, precisamente na pior fase da época.
Primordial um homem golo, fora o resto.


Em suma: baliza, laterais, médios (que podem muito bem já estar no plantel) e avançados. De tudo um pouco.

A Quarta...


Faz hoje 24 anos. É sempre bom recordar.




É agradável quando um não-estarola vence um troféu no nosso país, mesmo sendo alguém com tiques de grandismo. Relativamente à discussão que sempre se reacende nestes momentos, há centenas de sites desportivos que ajudam a esclarecer. Para já, é um não assunto para qualquer Boavisteiro, apesar de todos nós devermos reconhecer que, neste momento, há clubes com mais argumentos para fazer frente aos estarolas. O que não se pode apagar nem esquecer é a História. Nem a de há 50 anos, nem a mais recente.

E estaremos na luta. Força Boavista!

sábado, 21 de maio de 2016

To be continued...


João Loureiro, no início do mês, em entrevista ao JN: " Se me perguntar se o Boavista vai lutar pela Europa, não. Mas quero que lute pela permanência até duas jornadas do fim? Não."

Tentativa de desestabilização ou puro mau jornalismo.